Rituais, Performances e Cosmopolíticas

O curso de extensão é uma atividade proposta pelo Núcleo de Pesquisa em Antropologia Social - Artes, Performances e Simbolismo – NAPAS, grupo de pesquisas de antropologia e etnologia indígena que se propõe a articular experiências etnográficas distintas situadas entre grupos afro-brasileiros e ameríndios, e a desenvolver estudos aprofundados sobre as formas expressivas (arte gráfica, música, narrativas e dança) em suas conexões cosmológicas, políticas e práticas de sentido que engendram regimes de conhecimentos ético-estético que possam elucidar e contribuir, assim, para o debate antropológico contemporâneo da arte como forma de socialidade.

 

Objetivos

 

O curso de extensão pretende desenvolver estudos aprofundados do campo teórico e etnográfico dos rituais, das performances e das cosmologias, focalizando tanto etnografias clássicas quanto contemporâneas da antropologia.

Desta forma, visa propiciar aos acadêmicos da graduação e da pós-graduação, o aprendizado analítico e etnográfico que sustentam algumas estratégias da pesquisa de campo no que se referem aos contextos rituais e performativos, as formas poéticas, e a multivocalidade dos símbolos como chave de entrada da pesquisa antropológica. Considerando que o campo de estudos dos rituais e das performances é constituído por distintas abordagens e autores, a ideia é, sobretudo, pensar muito mais na complementaridade destas perspectivas que subsumi-las em “escolas” de pensamento divergentes.

Oferecer aos acadêmicos, atividades intensivas e orientação para que possam subsidiar a produção de suas monografias, dissertações e planos de trabalho dos projetos de extensão e dos projetos pibic; articular as atividades de pesquisa, ensino e extensão.

 

Carga Horária: 60h

Acervo Bibliográfico e audiovisual

Acesse e baixe as referências bibliográfica

Explore e siga 

Em 1971, Jean Rouch aceitou o convite para filmar uma cerimônia de possessão em Simiri, no Níger; era o mesmo vilarejo e o mesmo ritual que ele havia filmado 20 anos antes em "Yenendi, os homens que fazem chover". Apesar dos esforços do sacerdote e do uso de dois tambores especiais - tourou e bitti -, ao longo de três dias ninguém foi possuído. No quarto dia, depois de horas e horas de espera, Rouch decidiu filmar assim mesmo. Se os espíritos não se manifestavam, ele pelo menos registraria um pouco da bela música daqueles tambores arcaicos, em risco de desaparecimento.
Ligou a câmera e caminhou por entre os participantes até chegar aos tambores. Quando estava a ponto de cortar, as possessões começaram. Assim foi feito Os tambores do passado, curta-metragem em um único plano no qual a própria câmera toma parte da cerimônia e se evidencia como elemento catalisador do ritual. É um ótimo exemplo do que Rouch batizaria de "cine-transe".

 

Filmado em apenas um dia, o filme revela as práticas rituais de uma seita religiosa. Os praticantes do culto Hauka, trabalhadores nigerienses reunidos em Accra, se reúnem à ocasião de sua grande cerimônia anual. Na 'concessão' (...) do grande padre Mountbyéba, após uma confissão pública, começa o rito da possessão. Saliva, tremedeiras, respiração ofegante... são os signos da chegada dos 'espíritos da força', personificações emblemáticas da dominação colonial: o cabo da polícia, o governador, o doutor, a mulher do capitão, o general, o condutor da locomotiva, etc... A cerimônia atinge seu ápice com o sacrifício de um cão, o qual será devorado pelos possuídos. No dia seguinte, os iniciados retornam às suas atividades cotidianas.

O filme se chama Hiper Mulheres, uma tradução aproximada de um nome Kuikuro de um ritual chamado Jamurikumalu. Foi filmado de março a setembro de 2010 na aldeia Kuikuro de Ipatse, no Parque Indígena do Xingu, Mato Grosso. Foram convidados 3 povos: Mchinaku, Wauja e Yawalapiti.

Produção: 
Aikax, Museu Nacional -- DKK
Vídeo nas Aldeias.

Documentário filmado na Guiné, oeste da África, no inicio de 2012. O documentário parte de Conakry, capital do país, com destino (kun be, na lingua Malinke) a Sangbarala, aldeia onde nasceu o mestre Famoudou Konate, na região de Hamanah (local de origem da etnia Malinke). Uma viagem por algumas das diversas formas de expressão da cultura local, com foco na música e na dança.

 

Realização: André Ricardo
NOISEstudio - 2012

Funeral Ceremonyh 

Shot march 2011 at Weiré, Dogon Country, Mali material for long tv documentary.

Camera: Lutz Gregor, Thomas Kutschker.

The Dogon Mask Dance at the village of Tireli, Dogon in Mali.

 

Shot & Edited by Gozilah - 2012

XAPIRI XAPIRIPË é um espetáculo livremente inspirado no universo ameríndio. Pela perspectiva do movimento é fundamentado na pesquisa da ancestralidade no corpo realizada por cada intérprete-criador. Xapiri é como os povos Yanomami chamam os espíritos ou ancestrais animais que se apresentam aos xamãs dançando e cantando. Seus corpos translúcidos estão sempre belamente adornados e brilham. Dançam sempre sobre um chão de espelhos que reflete luz. Xapiri é luz que dança e canta.

 

Publicado em 17 de set de 2014

Apapaatai apresenta uma visão xamânica do mundo dos espíritos dos índios Wauja do Alto Xingu. Como raptores de almas humanas, os apapaatai são os principais causadores de doenças. Porém, quando festejados em rituais de máscaras, flautas e clarinetes, os apapaatai podem curar e proteger. Eles são a "vacina" dos Wauja, a força dos seus corpos.

Ficha Técnica: NTSC, cor, 17min, 2007
Direção, Roteiro e Pesquisa: Aristóteles Barcelos Neto
Fotografia: Francisco Paes e Maíra Bühler
Still: Aristóteles Barcelos Neto
Edição: Aristóteles Barcelos Neto e Fernanda Frasca
Realização: LISA
Apoio: FAPESP

“Paisagem Musical nas ruas do centro de São Paulo” é um documentário que aborda a experiência sonora da cidade trafegando por seus ruídos e pela música apresentada por artistas de rua.

Ficha técnica: NTSC, cor, 52 min, 2010.
Direção e Roteiro: Marília Garcia Senlle, Raoni dos Santos Costa e Theodoro Condeixa Simonetti
Concepção original e pesquisa: Murilo do Val
Montagem: Theodoro Condeixa Simonetti, Raoni dos Santos Costa e Caio Polesi.
Fotografia: Bruno Aguiar, Henrique Figueiredo, Marília Garcia Senlle, Murilo do val Soares, Raoni dos Santos Costa e Theodoro Condeixa Simonetti.
Captação de áudio: Bruno aguiar, Henrique Figueiredo, Marília Garcia Senlle Murilo do Val Soares, Raoni dos Santos Costa e Theodoro Condeixa Simonetti.
Produção: Marília Garcia Senlle, Raoni dos Santos Costa e Theodoro Condeixa Simonetti
Projeto de pesquisa: "Paisagem Musical. nas ruas do centro de São Paulo".
Orientação: Profª Rose Satiko Gitirana Hikiji
Apoio: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária.
Apoio: Laboratório de Imagem e Som em Antropologia (LISA-USP).

Universidade Federal de Mato Grosso 
Departamento de Antropologia - DAN/UFMT

Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/UFMT

 

Coordenadora: Profª. Drª. Sonia Regina Lourenço

E-mail: napasufmt@gmail.com
 

Contato:

(65) 98112-5665